Posts in Category: Opinião

Back to Basics

Então, sabe quando você sabe onde quer chegar e conhece a estrada que leva até lá tomar, mas aí você começa a inventar atalhos, fica parando em todas as lojas de conveniência que aparecem para encher a pança de coxinha e Coca-cola, experimenta todas as rotas diferentes por pura curiosidade ou porque parecem mais fáceis… aí você nota que desviou da estrada, e começa a pensar em idéias mirabolantes para tentar voltar mas cada idéia se mostra pior que a outra, e vai ficando cada vez mais longe do objetivo?

E depois de muito calejar os pés, finalmente cai a ficha de que não tem jeito, que você terá que voltar até o início e recomeçar?

Então, hoje eu voltei ao início. E daqui a algumas horas, recomeço. Só espero não cair na tentação dos atalhos e dos tentadores caminhos feitos com tijolos de ouro. Mas vou continuar parando para a velha e boa coxinha com Coca-cola, só que bem menos dessa vez. Afinal, também sou filho de Primus.

Dedo no botão de reset e vamo que vamo! :-)

PRODUCING ANIMATION: um livro mais do que necessário

Quero aproveitar para sugerir um livro muito bacana, principalmente para aqueles que pretendem levar essa
história de produzir animações para a frente: Producing Animation, de Catherine Winder e Zahra Dowlatabadi.

O livro, impresso pela editora Focal Press, engloba todas as etapas de uma produção animada, seja ela uma série para tv ou um longa metragem, seja utilizando técnicas 2D, CGI ou stop-motion. Aborda todas as etapas de pré-produção (a idéia, desenvolvimento da sinopse, roteiro, técnica de animação escolhida, storyboards, character designs, gravação dos diálogos, etc), produção (deadlines, elaboração de custos, produção da animação e cenários…) e pós produção (edição linear ou não linear, edição de som, exportação para mídias como tv, cinema, etc), sem falar em como lidar com outsorcing (isto é, quando toda a produção é feita em outros países), e muito mais! Só os comentários iniciais sobre o que é ser um produtor de animação, feitos pelos melhores do mercado, é genial.

O livro também contém diversas planilhas para ajudar na elaboração e controle do seu projeto, incluindo descrições detalhadas de cada cargo em uma produção – se você sempre teve dúvida do que faz um produtor executivo, um diretor ou um leading animator, o livro “Producing Animation” vai responder isso para você.

As escritoras falam com conhecimento de causa, já que são macacas velhas do mercado de animação norte-americano. Catherine Winder já foi produtora de séries como Spawn e Spicy City (ambas da HBO Animation) e Aeon Flux (MTV); já foi vice-presidente sênior de produção da Fox Feature Animation, onde foi responsável pelo sucesso A Era do Gelo; e hoje é produtora executiva da Lucasfilm Animation, onde é responsável direta pelo novo projeto The Clone Wars, da franquia Star Wars, que estréia nos cinemas em agosto de 2008 e que depois se transformará em uma série, a ser exibida pela Cartoon Network em 2009. Já Zahra Dowlatabadi trabalhou como produtora na DisneyToon Studios e também com os três primeiros longas da série Em Busca do Vale Encantado, da Universal, e como produtora associada no longa Quest for Camelot, da Warner Animation. Hoje, ela presta consultoria sobre séries e filmes animados para gigantes como Cartoon Network, Lucasfilm Animation, Disney, Animation Lab e Oregon Film Group.

Tenho esse livro há quase dez anos e sempre que possível volto a lê-lo, pois ele continua muito atual. Pena que “Producing Animation” ainda não foi traduzido para o português. Alguma editora aí se habilita? Ou que tal alguém aqui do Brasil montar um livro desses? :-)

Quem quiser saber mais sobre o livro, pode acessar o site oficial ou então ler essa matéria no site AWN. Se você se interessou e quiser comprar, “Producing Animation” está a venda no Submarino. E se você estiver interessado em livros sobre animação, acesse a lojinha aqui do Animartini e veja mais sugestões.

Wall-E: eu vi, e vocês não ^_^

Pois é. Ontem rolou uma cabine (exibição de um filme para a imprensa, que normalmente acontece alguns dias antes da estréia) do novo filme da Pixar, Wall-E. Fui a mando – na verdade, eu implorei e rastejei pela oportunidade, tamanha falta de amor próprio que tenho – do senhor Borbs, bambabam do site Judão, e escreverei a crítica que aparecerá por lá nos próximos dias. Podem ficar sossegados que eu aviso quando ela estiver no ar. :-)

Para deixar vocês com água na boca, posso garantir que “Wall-E” é simplesmente maravilhoso, genial, sensível e tocante como poucos filmes que já vi. Como Paulo Maffia disse ao ver o primeiro teaser, “esse aí já nasceu clássico”, e a afirmação é verdadeira. Além de ter criado um filme memorável, e um personagem que vai ficar na mente das pessoas durante, sei lá, para sempre, a Disney ainda vai fazer rios de dinheiro com essa animação – principalmente com licenciamento, já que os bonequinhos do Wall-E e da Eva vão vender mais que qualquer produto lançado pelo Steve Jobs. :-)

Lindo, simplesmente lindo. Vai, Pixar! :-D

O filme estréia dia 27 de junho aqui em terras brasileiras.

Sobre a lista dos melhores longas animados produzidas até hoje, pelo site Yahoo!

Como eu sei que a maioria adoooooora uma listinha, achei essa há alguns dias, que listava o resultado de uma pesquisa feita com os usuários do site Yahoo! gringo sobre os melhores longas animados já criados.

Resumidamente, a lista ficou assim, em ordem crescente:

30. Bambi
29. Mogli, O Menino Lobo (The Jungle Book)
28. A Bela Adormecida (Sleeping Beauty)
27. Os Sem-Floresta (Over the Hedge)
26. Os Simpsons – O Filme (The Simpsons Movie)
25: A Era do Gelo 2 (Ice Age: The Meltdown)
24. A Era do Gelo (Ice Age)
23. Branca de Neve e os Sete Anões (Snow White and the Seven Dwarfs)
22. O Castelo Animado (Howl’s Moving Castle)
21. Mulan
20. Peter Pan
19. Horton e o Mundo dos Quem (Dr. Seuss’ Horton Hears a Who)
18. A Dama e o Vagabundo (Lady and the Tramp)
17. O Estranho Mundo de Jack (Tim Burton’s The Nightmare Before Christmas)
16. Princesa Mononoke (Princess Mononoke)
15. Cinderela (Cinderella)
14. A Pequena Sereia (The Little Mermaid)
13. Encantada (Enchanted)
12. Shrek 2
11. Carros (Cars)
10. Monstros S.A. (Monsters, Inc.)
09. A Viagem de Chihiro (Spirited Away)
08. Aladdin
07. A Bela e a Fera (Beauty and the Beast)
06. Toy Story
05. Ratatouille
04. Shrek
03. Os Incríveis (The Incredibles)
02. O Rei Leão (The Lion King)
01. Procurando Nemo (Finding Nemo)

Tá, eu sei que essa lista não foi montada por amantes ou verdadeiros conhecedores da arte da animação, mas sim pelo público comum, também conhecido como “aqueles caras que pagam o salário dos animadores”, o que deve ser levado muito (muito MESMO) em conta. Notem que os 10 primeiros filmes são produções recentes, com menos de 20 anos de vida (“A Bela e a Fera” tem apenas 17 anos).

Mas como eu sou chato, e muitos fãs de animação também são, eis meus comentários totalmente parciais, cheios de mágoa e com objetivo apenas de divertir: :-D
- Não vou discutir a ordem dos filmes, afinal, cada um tem uma preferência. E eu mesmo não saberia o que fazer com os três primeiros. :-)
- Akira, Ghost In The Shell e principalmente Tarzan não estão na lista? Pfft.
- “Os Sem-Floresta” é bem divertido e tals, mas também não o colocaria nessa lista. Muito menos “A Era do Gelo”. Bom, pelo menos não apareceu Robôs… ufa. :-)
- “Shrek”? Ah, qualé!? Só eu que acho esse filme uma porcaria??
- E, pelamordedeus, o que “Encantada” tá fazendo ali? Tudo bem, eu gostei bastante do filme, mas desde quando 12 minutos de animação em um filme de 1 hora e meia faz dele um “filme de animação”? Ê, povinho…
- Já o genial Uma Cilada para Roger Rabbit não só pode como deve ser considerado um filme animado, esequer dá as caras. Normal…
- Gostei bastante de três filmes do Hayao Miyazaki darem as caras na lista.
- Outra coisa: cadê Fantasia? E A Fuga das Galinhas?
- Eu perguntaria também o que o espetacular Happy Feet: O Pingüim não tá fazendo nessa lista, mas tenho medo de levar pedrada do pessoal anti mocap. :-)

Você concorda? Não? Comentem aí embaixo. :-)

PS.: Sim, a imagem que ilustra esse post é uma piada. Ha ha ha, engraçado pacas eu. :-D

FIM DOS TEMPOS: o tempo acabou para Shyamalan

Alguém consegue me explicar o que aconteceu com M. Night Shyamalan? Sério, como é que esse Fim dos Tempos (“The Happening”, 2008) pôde ser lançado assim? Não teve ninguém na Fox que viu a bomba que tinha nas mãos? Em determinado momento da projeção, eu cheguei a comparar com Motoqueiro Fantasma (“Ghost Rider”, aquela coisa absurdamente ruim dirigida pelo Mark Steven Johnson), tamanha a vergonha que eu sentia de estar no cinema vendo algo tão podre.

“Fim dos Tempos” é uma porcaria em tantos níveis que fica difícil apontar todas as falhas absurdas do filme. Mas eis alguns pontos que devem ser citados:

- As atuações estão medíocres. Mark Wahlberg e Zooey Deschanel, que interpretam os personagens principais, parecem completamente perdidos. E olha que Wahlberg concorreu ao Oscar no ano passado por Os Infiltrados. E Deschanel é uma das maiores gracinhas do cinema… mas atua tanto quanto uma porta frente ao caos que está acontecendo;

- O roteiro é terrível. Eu até consigo entender a idéia – algo como se a natureza estivesse se virando contra os seres humanos, depois de anos e anos de devastação – mas a coisa é tão mal conduzida que fica boçal, idiota. Sem falar na atenção que ele dá para assuntos que nada interferem na trama principal, como os problemas conjugais de Whalberg e Deschanel, o papo sobre o anel do sentimento, o casal maluco criador de plantas (que papo foi aquele sobre a forma do cachorro-quente??), a velha senhora perdida no meio do nada, Whalberg conversando com uma planta de plástico… e por aí vai.

- Todos os itens acima levam à péssima direção. Tá, isso já estava claro quando falei do roteiro e da atuação dos atores, mas tudo o que Shyamalan fez em seus outros filmes e que se tornaram suas marcas registradas como o cuidado com a direção de arte, os enquadramentos, as tomadas, nada disso existe nesse filme.

- Até mesmo a trilha sonora de James Newton Howard – que trabalhou em todos os filmes do Shyamalan desde O Sexto Sentido e criou maravilhas como a trilha de Sinais e Corpo Fechado – está fraquíssima.

- Muitos ainda relacionam a obra do Shyamalan às tais “viradas no final”. Primeiro, ele já mostrou que consegue fazer um ótimo filme sem abusar desse recurso (vide “Sinais”). “Fim dos Tempos” não tem virada. Na verdade, ele sequer tem um final. Sabe quando não há uma idéia definida de como a história vai terminar, e simplesmente o diretor decide acabar repentinamente, só pelo fato de que precisa terminar? É o que acontece.

“Fim dos Tempos” parece o trabalho de um diretor qualquer, um pobre coitado que acabou de sair da faculdade, recebe a chance de fazer um longa-metragem sem nunca ter feito um curta sequer. Parece que Shyamalan trocou os pés pelas mãos em todas as etapas de produção, sem ninguém para dizer o que estava errado.

Quem estiver lendo esse texto e pensa em assistir, eu diria para não fazer isso. Espere passar na Globo, ou baixe pela internet, sei lá, mas não gaste dinheiro com isso. Caso algum estúdio dê outra chance para Shyamalan, pode ter certeza que estarei na fila para ver. Ele entregou quatro filmes que, a meu ver, são espetaculares, e um mais ou menos. Mas que ele errou feio com esse Fim dos Tempos, ah, isso ele errou. Feio. Mesmo. Como disse o Capone, do site Ain’t It Cool News, “esse é o tipo de filme que destrói carreiras”. E eu escuto cada vez mais que Shyamalan têm se achado o rei da cocada preta, exigindo controle total sobre suas obras e ficando totalmente avesso a qualquer tipo de crítica. Enquanto ele estava na Disney, Michael Eisner metia o bedelho e ele entregou os filmes que entregou. Ao tentar passar o roteiro de A Dama na Água, a casa do Mickey exigiu que ele mexesse no roteiro e ele não quis. Foi para a Warner, que prometeu liberdade total, e “A Dama…” foi um fracasso de bilheteria. “Fim dos Tempos” será pior que isso.

É muito triste. Eu espero sinceramente que ele faça mais filmes, filmes que mostrem o bom diretor que ele já mostrou ser. Sou grande fã do trabalho do cara. Que esse “Fim dos Tempos” seja apenas um tropeço. Um grande, monstruoso, dolorido e sangrento tropeço, mas nada mais que isso.

Filmes Round-up | 10/06/2008

Eis um resumão dos filmes que eu vi nas últimas semanas:

:: O NEVOEIRO (The Mist, 2007)
Filmaço! Baseado em uma história do escritor Stephen King, o diretor Frank Darabont consegue fazer um suspense de primeiríssima linha, com um final de chutar o saco! Palmas e mais palmas para a atuação de Marcia Gay Harden como a religiosa maluca que, presa em um mercadinho junto com outras pessoas devido a uma névoa, tenta convencer a todos de que estão vivenciando o apocalipse.
Distribuidora: Paris Filmes (BR)
Estréia nos cinemas: programada para 29/8/2008 (BR)
Site oficial: http://www.grupoparisfilmes.com.br/Cinema.aspx?v=2&id=312

:: CJ7 (Cheung Gong 7 hou, 2008)
O mais novo filme do diretor/escritor/produtor/ator Stephen Chow – o mesmo de Kung Fu Futebol Clube e Kung-Fusão – é um trabalho completamente maluco, cheio de humor pastelão, situações inusitadas e ficção científica. Isto é, igual aos seus filmes anteriores. :-) Chow consegue criar personagens carismáticos e cortar essa confusão toda com momentos realmente dramáticos. Pura diversão.
Distribuidora: Sony Pictures Classics (EUA)
Estréia nos cinemas: 07/03/2008 (EUA)
Site oficial: http://www.sonyclassics.com/cj7 (EUA)

:: UM BEIJO ROUBADO (My Blueberry Nights, 2007)
Eu até entendi a idéia do diretor e roteirista Wong Kar Wai, mas não gostei nada da maneira que a história foi contada. Norah Jones, estreando no cinema justamente como protagonista, até que atua muito bem, e segura a bucha ao contracenar com tops como Rachel Weisz e Natalie Portman, ótimas atrizes e lindas de viver! A trilha sonora é até bacana e tals… mas é só.
Distribuidora: Europa Filmes (BR)
Estréia nos cinemas: 11/04/2008 (BR)
Site oficial: http://www.umbeijoroubado.com.br (BR)

:: INDIANA JONES E O REINO DA CAVEIRA DE CRISTAL (Indiana Jones and The Kingdom of the Crystal Skull, 2008)
Você é fã do Indy, quer dizer do Dr. Henry Jones Júnior (afinal de contas, Indiana era o nome de um cachorro)? Então se prepare para voltar aos tempos de criança. Harrison Ford encarna espetacularmente o arqueólogo aventureiro mais uma vez, e a idade só lhe fez bem. O filme é pura aventura, vem entupido de referências às aventuras anteriores e conta com a espetacular trilha sonora composta por John Williams. Nada mais nada menos que um filme do Indiana Jones. :-)
Distribuidora: Paramount (BR)
Estréia nos cinemas: 21/05/2008 (BR)
Site oficial: http://www.paramountpictures.com.br (BR)

LOST – A 4a. temporada (leia sossegado, não tem spoiler nenhum)

Acabei de ver o último episódio da 4a. temporada de Lost. Não sei o que dizer. Tá, vou tentar dizer alguma coisa… que tal a melhor série de tv de todos os tempos, junto com Twin Peaks e The West Wing? É, eu sei, dizer isso seria subestimar e muito a série. :-D

O que esses roteiristas criaram – e fizeram nessa quarta temporada – é algo simplesmente fora desse mundo. Não dá, não consigo entrar em detalhes. Por mais que eu escreva, não vai chegar perto da sensação que é assistir essa série. É de chorar, de torcer, de vibrar, de ficar com cara de ponto de interrogação a cada nova pergunta… Se eu começar a falar especificamente sobre essa quarta temporada, de episódios como The Constant, de personagens como Benjamin Linus (interpretado magistralmente por Michael Emerson), caceta, não haverá blog suficiente. Aqueles que acompanham/acompanharam sabem disso. E aqueles que não vêem… bom, o problema é de vocês. :-D

E não, não dá para imaginar o que raios vai acontecer na quinta (e penúltima temporada). Agora é esperar até 2009 para saber. Droga. :-D

CIRQUE DU SOLEIL – ALEGRÍA: eu fui!

Cirque du Soleil - Alegría

Depois de um convite da minha excelentíssima mãe, tive a oportunidade de acompanhá-la no espetacular show Alegría, do Cirque du Soleil, dia 11 de abril em São Paulo (obrigado de coração pelo convite e pela paciência, Dona Regina!). :-)

Como a trupe já vem se apresentando no Brasil há vários meses, e muitos já deixaram claro em seus respectivos site/blogs – como o Alê Jungermann no Lineup – nem preciso ser mais um que vai dizer que o espetáculo é lindo de morrer, benhê. :-D Apenas gostaria de comentar alguns pontos:

- O espetáculo, como eu disse acima, é realmente espetacular. Um “ultimate circo”, como diriam os fãs da cronologia Ultimate, da Marvel Comics;
- Mesmo assim, esperava algo muito mais “grandioso”, e digo isso deixando claro que meu conhecimento sobre o Cirque du Soleil até esse dia eram os comerciais que passavam na tv e algumas notinhas por sites. Nunca tinha ido sequer pesquisar sobre a história do Cirque. E, sendo assim, acho que o valor cobrado pela entrada (média de entre 300 e 450 reais por cabeça) é um tanto quanto exorbitante. Na verdade, é caro prá caceta!;
- Um bom exemplo disso é o do sujeito fazendo malabares com as bolinhas. Na hora, joguei minhas expectativas lá no alto, tipo “ele vai manter umas 20 bolinhas no ar”. Ok, eu nem consigo fazer com duas bolinhas, sem falar que a performance em si estava muito boa, mas foi meio broxante;
- Em compensação, a apresentação onde o artista voava preso a dois lenços, o contorcionismo das meninas e o trapézio foram os pontos altos;
- Vale comentar também sobre o figurino, a maquiagem e o clima dado à apresentação. Eu não entendo nada disso, mas acho que pelo fato de eu ter lembrado mostra que seja lá o que os profissionais estudaram ou fizeram, deu muito certo;
- Não sou muito fã de palhaços, mas também não morro de medo deles, como a menininha do El Cid. :-) Mas, cacetada, o show dos palhaços da trupe, que inclui o brasileiro Marcos Casuo, é fenomenal. Era fácil ouvir os comentários do pessoal lembrando das peripécias e da graça dos palhaços após o espetáculo. O rolo com o aviãozinho de papel e o esquema da moto foram ó-te-mos;
- Pelamordedeus, um tantinho de pipoca a 13 reais? Refrigerante em lata a 4 reais? Coé, tão ficando loucos?;
- Eu senti falta de uma apresentação de mágica. Mas isso é viadagem minha, deixem para lá;
- Mas ali, além das apresentações, dos malabarismos, da beleza, teve um detalhe que eu jamais vou esquecer: a música. Barbaridade, que coisa mais linda! “Alegria“, “Ibis“, “Valsapena“, “Vai Vedrai“, “Kalandéro“, “Querer“… obras-primas criadas por René Dupéré e entoadas por Francesca Gagnon, uma mais arrebatadora que a outra. A minha preferida é justamente “Alegría”, o tema do espetáculo. Sabe aquele tipo música que te deixar mais leve, de voar? Pois é. “Bella ruggente pena, seren. Come la rabbia di amar. Alegría”. :-D

Resumindo: virei fãzaço. :-D

Esse post vai em homenagem ao grande Alê Jungermann, do blog Lineup. Se você também adora esse universo circense, aproveito para sugerir a leitura do post Todos são iguais perante a lei, mas uns são mais iguais do que os outros. É simplesmente triste o que se faz com a cultura nesse país. Eu mesmo me espelho no que há de melhor hoje para tentar produzir algo próprio. Agora achar que tudo o que vem daqui não é bom/não dá dinheiro é coisa de gente pequena e sem visão.

É isso. :-)

E é por essas e outras que Malvados é genial…

Malvados, por André Dahmer

André Dahmer é gênio.

Veja o original dessa tira aqui, e visite diariamente o site do Malvados e o blog do Dahmer.

Humor negro da melhor qualidade.

Os Simpsons suspenso na Venezuela por potencial ameaça às crianças?

Cuidado: Homer, o Abusador, está de olho nos seus filhos…

Vi essa no Blue Bus, de onde peguei emprestado até o título, de uma notícia da Reuters.

Pois é. Não vou fazer um texto monstruoso para deixar claro minha opinião sobre o assunto. No lugar, gostaria de levantar três pontos que resumem o que eu penso:

1- Desde quando – e quero dar bastante ênfase nisso – Os Simpsons é para crianças? Só por quê é desenho animado? Ok, vamos importar quilos de hentai e passar sábado de manhã, então, se o caso é esse. O engraçado é lembrar que a Globo começou no dia 7 de abril de 2008 a passar “Os Simpsons” na TV Globinho. Patético.
2- “Os Simpsons” ameaça crianças. Entendi. Ã-ham. Ok. Que nem videogames, né? E música? Ainda bem que temos os pais e a religião para salvar nossas vidas, e que vêm fazendo um ótimo trabalho até agora:


3- E para terminar: putz grila, colocar S.O.S. Malibu no lugar? Por que não lobotomizar todas as crianças? Ah, é verdade, sai mais barato e ainda dá lucro…

UPDATE: Li no G1 que, depois de toda essa papagaiada, eles voltaram atrás na decisão e irão continuar a exibir a série por lá. No horário nobre. Uau. Essa foi difícil, hein? E a própria Globo continua passando o desenho na TV Globinho. Como eu li hoje no site Jbox, “resta saber até quando o Ministério da Justiça vai deixar o Homer em paz”. Exatamente. :-)