Posts in Category: Stop-motion

ANIMA MUNDI 2008: o que eu vi, final

Eis a última parte do meu review sobre os curtas do Anima Mundi 2008. Daqui a alguns dias farei um post final sobre o evento, comentando o 3º Anima Fórum. Com vocês, as animações exibidas na sessão CURTAS 1:

:: ONAT HACHAMUTZIN, de Ronen Zhurat | Israel (2006)
A infância na praia e… picles? Um curta autobiográfico, onde a animação é até bem tosquinha, mas que compensa com uma história cativante e nostálgica, muito humor e… picles. :-) 2D.
– Nota: 4

:: OFFICE NOISE, de Mads Johansen, Torben Søttrup, Karsten Madsen e Lærke Enemark | Dinamarca (2008)
Divertida história em produzida em CGI onde um frango estressado têm que lidar com o jeito estabanado do colega de trabalho elefante. Ótimo timing.
– Nota: 4

:: LE JOUR DE GLOIRE…, de Bruno Collet | França (2007)
Stop-motion interessante sobre um homem que se esconde no subsolo, imaginando a inevitável guerra que está para acontecer acima. Mesmo assim, dos trabalhos franceses que tive a chance de ver no festival deste ano, este é o mais fraquinho.
– Nota: 3

:: FRANZ KAFKA INAKA ISHA, de Koji Yamamura | Japão (2007)
Mais um vídeo sem muito sentido. A história original, baseada no conto Um Médico Rural, escrito em 1919 pelo tcheco Franz Kafka, contém toques surrealistas para contar os questionamentos de um médico chamado no meio da noite para tratar de um paciente. Bom, eu não li o conto, por isso não posso falar nada, mas já li A Metamorfose, e “Um Médico Rural” me parece ainda mais neurótico. Deve ser por isso que o curta é tão arrastado e sem sentido. Pelo menos a arte do animador Koji Yamamura é bem interessante, meu único motivo para não dar a menor nota para o curta.
– Nota: 2

:: EN AGOSTO, de Andres Barrientos e Carlos Andres Reyes | Colômbia (2008)
Uau. Fiquei impressionando com esse curta colombiano. Visualmente impressionante, e com uma história interessante sobre o fim dos tempos. Climático e muito bem animado. :-) 2D e CGI.
– Nota: 5


:: GLAGO´S GUEST, de Chris Williams
| Estados Unidos (2008)
O segundo curta da Disney no Anima Mundi 2008 (depois de How to Hook Up Your Home Theater, que comentei anteriormente) é de uma simplicidade e beleza espantosa. A trama fala sobre um soldado russo, no meio do nada, recebe uma visita inesperada. Agora é só rezar para que a Disney Brasil exiba o curta nas cópias nacionais de Bolt: Supercão, como vai acontecer lá nos EUA. E que venham mais curtas da Disney! :-D Veja abaixo um trecho de “Glago´s Guest”, ou clique aqui para assitir no YouTube:

– Nota: 5

ANIMA MUNDI 2008: o que eu vi, parte 2

Dando continuidade aos reviews das poucas sessões do Anima Mundi 2008 (leia a primeira parte dos reviews clicando aqui) que eu tive o prazer de comparecer, agora comento os curtas da sessão CURTAS 12:

:: FEAR, de Agustin Graham | Argentina (2007)
Uso das técnicas japonesas do anime para falar sobre como a realidade de um jovem fica distorcida ao ser tomado pelo medo. Animação bem feita, curta interessante. Aproveite para ver um trecho da animação abaixo ou clicando aqui:

– Nota: 3

:: REPLAY, de Boumediane, Delmeule, Voisin e Felicite-Zulma | França (2007)
Não há como negar: os franceses têm se destacado cada vez mais em seus curtas animados (Bernie´s Doll e Quidam Dégomme são os exemplos mais recentes que comentei na primeira parte desse review) e “Replay” é mais uma prova disso. Uma idéia simples e muito bem executada, conta a história de dois irmãos vivendo em um mundo pós-apocalíptico onde a terra está devastada e o ar está contaminado. Lana retorna todo dia ao bunker onde vive com seu irmão mais novo, Theo, com novidades sobre o mundo exterior. Dessa vez, Theo se encanta por um objeto em especial, e a história corre a partir daí. Simples e direto ao ponto, muito bom. E olha só que maravilha: você pode assistir o curta completo abaixo, direto no YouTube ou clicando aqui para assistir no site DailyMotion:

Aproveite para visitar o site oficial do filme, em www.replay-lefilm.com.
– Nota: 4

:: PLASTIC PEOPLE, de Pavel Koutský | República Tcheca (2007)
Uma brincadeira sobre a obsessão em melhorar o visual através das cirurgias plásticas. Não sou lá muito fã do estilo visual nem da animação, mas as piadas são bem divertidas.
– Nota: 3

:: MAHI, de Mahmoud Fakhrinejad | Irã (2006)
Depois de Sensorium (comentado no post anterior), eis mais uma porcaria sem sentido, sobre um peixe sendo pescado. Para entender o que se passa na tela é uma briga. Nem vou perder meu tempo aqui, já que perdi muito tempo vendo esse curta.
– Nota: 1

:: LA TÊTE DANS LES FLOCONS, de Bruno Collet | França (2007)
“Um surfista doido por neve” é a tradução literal desse curta em stop-motion, que prova novamente que os franceses estão na crista da animação. :-) Nesse curta, uma competição de esquiadores é ameaçada por um dos participantes, que fará de tudo para tirar os outros competidores da briga e conquistar o primeiro lugar. Humor completamente nonsense, que parece uma mistura da série Frango Robô (Robot Chicken), da Cartoon Network, com A Corrida Maluca (Wacky Races), da Hanna-Barbera. Divertidíssimo. :-D
– Nota: 5

:: UNPREDICTABLE BEHAVIOR, de Ernst Weber e Pasha Shapiro | Estados Unidos (2007)
Mais um curta em CGI, que mostra a conversa entre Sherlock Holmes e seu fiel ajudante, Dr. Watson, sobre o mistério de Jack, o Estripador. A animação me incomodou em alguns pontos, mas a modelagem é eficiente. A história é meio sem sentido, tentando questionar o pensamento racional e a natureza humana e, de repente, toma um caminho completamente bizarro. Interessante, mas fica isso.
– Nota: 3

:: CÂNONE PARA TRÊS MULHERES, de Carlos Eduardo Nogueira | Brasil (2008)
As únicas coisas interessantes neste curta são o uso das cores e a modelagem dos personagens, principalmente das mulheres que dão nome à essa produção CGI de Carlos Eduardo Nogueira, que mostra “três mulheres-fetiche – uma aeromoça, uma enfermeira e uma secretária – e seu dia-a-dia repetitivo de trabalho, assédio sexual e o retorno aos braços de seus maridos”. Não achei muito sentido nisso, para mim morreu na praia, mas visualmente é bem interessante.
– Nota: 2

:: HOW TO HOOK UP YOUR HOME THEATER, de Kevin Deters e Stevie Wermers-Skelton | Estados Unidos (2007)
A espera finalmente acabou! :D Uma ode aos clássicos curtas do Pateta da década de 40 e 50, “How to Hook Up Your Home Theater” transborda nas homenagens, que aparecem em cada segundo da projeção: desde a tela inicial de apresentação, com fundo vermelho e a cara do personagem aparecendo em destaque, passando pela música de Michael Giacchino (Os Incríveis) que bebe na fonte das trilhas produzidas por Oliver Wallace, indo até mesmo a replicar cenas clássicas como a do campo de futebol americano do curta How to Play Football, tudo isso banhado pela narração de Corey Burton. Mas o mais importante é que você não precisa saber nada dessas referências: o curta é realmente engraçado! E o “Aaaaaaaaaaahuhuhuhuiiiiiiii” também está lá. :-D Todo filme que fosse para o cinema deveria começar com algo assim, coisa que a Pixar percebeu desde o começo e vem nos presenteando com curtas cada vez mais espetaculares (eu já comentei aqui que Presto é o melhor curta deles até hoje? :-D ). Simplesmente genial.
– Nota: 5

ANIMA MUNDI 2008: o que eu vi, parte 1

Depois de ter furado o Anima Mundi em 2007, consegui comparecer em três sessões do evento de 2008, em São Paulo. Farei três posts rápidos sobre os curtas que assisti. Também tive a chance de participar, pela primeira vez, do Anima Fórum, que foi muito bacana. :-) Sobre isso, farei um post à parte.

A primeira sessão que vi foi a CURTAS 10, na quinta-feira, dia 24, lá no Memorial da América Latina. As notas dadas abaixo, de 1 a 5, seguem o mesmo critério usado pelo festival para votação, e foram exatamente as mesmas notas que eu dei no dia. Os curtas exibidos foram:

:: EDEN, de Hye Won Kim | República da Coréia (2008)
Segundo o site oficial do evento, o animador coreano quis mostrar que o homem é um ser sádico que mata os animais por prazer. Imagens grosseiras, de gosto duvidoso, e uso da técnica de cut-out muito mal feito levaram esse curta direto para o lixo, na minha opinião. Há maneiras mais sutis e inteligentes de se tratar de temas assim. Não gostei nada.
– Nota: 1

:: O TRAMBOLHO, de André Rodrigues | Brasil (2008)
“Um sujeito engraçado, um celular e um ônibus”. É assim que é descrito o curta do brasileiro André Rodrigues no site oficial do Anima Mundi. Com duração de um minuto e quarenta e oito segundos, o que se desenrola são algumas piadas utilizando situações do cotidiano. A animação até que é bem feitinha, mas nada além disso.
– Nota: 3

:: QUIDAM DÉGOMME, de Rémy Schaepman | França (2007)
O que uma ovelha, vivendo no telhado de um prédio, faz com a sanidade de um homem? Essa trama bizonha conta com uma animação bem cuidada, e uma narrativa bem feita.
– Nota: 3

:: YOURS TRULY, de Osbert Parker | Reino Unido (2007)
Um trabalho visual muito interessante, que utiliza cenas de filmes clássicos, fotografias e stop-motion para criar uma história noir. Veja abaixo um trecho do curta no YouTube:

– Nota: 3

:: SENSORIUM, de Karen Acqua e Ken Field | Estados Unidos (2007)
Esse curta é uma daquelas porcarias que me fazem sempre pensar duas vezes antes de ir ao Anima Mundi: vídeos que não dizem nada, que só mostram bolinhas/quadradinhos/objetos/qualquer outra porcaria se mexendo sem sentido na tela. O site do evento descreve esse lixo como “um vocabulário de movimentos visuais abstratos, cada um ligado a uma música específica, é apresentado em combinações cada vez mais complexas, criando uma “trilha sonora” visual”. Resumindo: blablablá BO-RING! Total perda de tempo. Merecia zero, mas a menor nota era 1, então…
– Nota: 1

:: POJAR, Bilyana Ivanova | Bulgária (2007)
A animação é tão tosquinha, a narrativa é tão infantil e a situação é tão delirante que o curta parece ter sido feito em uma oficina de animação. Dois ou três momentos que incitam uma risadinha nervosa, de canto de boca. E só.
– Nota: 2

:: BERNIE´S DOLL, de Yann Jouette | França (2008)
Bizarro, mas no bom sentido. Bernie é um empregado em uma fábrica de comida para animais. Solitário e introvertido, decide comprar um “kit mulher do terceiro mundo” para acabar com a solidão. A animação é em 3D e o conceito visual é caótico, dark, disforme; lembra um pouco colagem de fotos. Você termina de ver o curta e se sente mais triste consigo mesmo. Ainda assim, muito interessante.
– Nota: 4

:: DOSSIÊ RÊ BORDOSA, de César Cabral | Brasil (2008)
Simplesmente hilário! :-D Para mim, foi a melhor transposição do universo de personagens criado pelo cartunista Angeli para outra mídia. É verdade, gostei muito da modelagem dos personagens (a escolha do stop-motion foi genuial) e o estilo “mockumentary”, isto é, um falso documentário, sobre o que teria feito o artista matar sua personagem e cria mais famosa, a Rê Bordosa. A minha única ressalva é técnica: eu entendo que custo e tempo devem ter pesado na decisão, claro, mas poderia haver mais quadros por segundo para deixar a animação mais fluida (em especial o lip sync), pois a interpretação e os gestuais dos personagens estão ótimos! Alguém aí pensa em fazer uma série, ao estilo Harvey Birdman: Attorney at Law, com episódios de 11 minutos em stop-motion com os personagens do Angeli? E com os do Laerte? Hein? Hein? :-D E aproveitando a deixa, descobri um pequeno making-of onde o diretor do curta, César Cabral, fala sobre a produção, direto no YouTube:

– Nota: 5

DOSSIÊ RÊ BORDOSA: stop-motion nacional no Anima Mundi

Um jovem Angeli conversa com Rê Bordosa

Descobri essa sem querer, através do Blog dos Quadrinhos: parece que o universo de personagens do cartunista porra-lôca Angeli continua dando muito pano prá manga para animações. Depois de Wood & Stock – Sexo, Orégano e Rock´n Roll, de Otto Guerra, e dos curtinhas que passaram na Cartoon Network há um tempo, a bola da vez é o curta Dossiê Rê Bordosa, desenvolvido pela Coala Filmes.

Com direção de César Cabral e roteiro de Carla Gallo e do próprio Cabral, “Dossiê Rê Bordosa” é um “mockumentary”, isto é, um documentário falso, que tenta explicar as razões de Angeli por trás da morte da sua mais famosa personagem, a Rê Bordosa, em 1987. E tudo na base do stop-motion, veja você. :-D

No site oficial da produção há galeria de imagens, dois trailers e mais informações sobre o curta, que ganhou dois prêmios no 1o. Festival de Paulínia (melhor curta pelo júri oficial e pela crítica) e que já está passando no Anima Mundi do Rio e tem exibição garantida no de São Paulo. Para saber mais sobre os dias e horário das exibições, visite o site oficial do evento.

Gostei bastante do que vi nos trailers. O visual maluco dos desenhos do Angeli caiu como uma luva em stop-motion. Como só conseguirei ver duas ou três sessões do Anima Mundi desse ano, já me programei para ver “Dossiê Rê Bordosa”, e podem ter certeza que depois eu comento por aqui. :-)

UPDATE: peço desculpas ao Leandro Maciel, pois não citei seu nome como um dos roteiristas do curta. Erro consertado :-) .